“Meus concidadãos! Eu tenho um sonho”

Por José Viana
em 22/11/2021
“Meus concidadãos! Eu tenho um sonho”
Pastor Martin Luther King em um de seus discursos
Fonte: Estante Virtual.

No dia 28 de agosto de 1963, milhares de negros e negras Estadunidenses marcharam em Washington para exigir direitos. O ato foi convocado por organizações religiosas, sindicatos e movimentos populares pelos direitos civis da população negra dos Estados Unidos. E foi nesse ato que o reverendo Batista Martin Luther King, liderança e referência da resistência pacífica contra o racismo, proferiu seu discurso mais famoso: “Eu tenho um sonho“, repetiu, por diversas vezes em sua fala, ao profetizar uma terra de liberdade e oportunidade em que “nossos filhos não serão julgados pela cor de suas peles, mas pelo conteúdo de seu caráter”.

Luther King sabia que seu discurso era um grande passo em nome da união e coexistência harmoniosa entre negros e brancos. O que ele não sabia era que o famoso sonho seria eleito o melhor discurso dos Estados Unidos no século XX.

A história política confirma que tanto o carisma quanto um bom poder argumentativo são capazes de produzir líderes autênticos das massas.

O sociólogo alemão Max Weber classificou o carisma como sinônimo de autoridade, ou seja, um tipo de influência legítima através do reconhecimento das virtudes do líder por seus governados. O carisma é uma característica descrita como determinante para um bom orador.

Independente das intenções, os grandes oradores são capazes de mobilizar pessoas até onde suas vozes alcançam. E a poesia da fala inspira e faz sonhar.  Se Martin Luther King tivesse afirmado que possuía uma ideia e não um sonho, seu desejo teria sido esquecido.

O século XX assistiu à ascensão de um dos mais exitosos oradores da história da política. Os discursos de Adolf Hitler, na Alemanha, foram responsáveis pela fanática adesão à causa nazista. Ainda que tenha reinventado a propaganda política, o führer liderou os alemães sob o poder hipnótico da oratória, considerado uma de suas principais qualidades. Os objetivos do nazismo são considerados insanos atualmente, mas pouco foi contestado pela maioria alemã na época.

A arte de falar em público é tão ancestral que remonta à era clássica da Grécia Antiga, quando era confundida como uma parte da retórica. De fato, oratória e retórica se combinaram ao longo da história e dos discursos. Para os gregos, a oratória valorizava o conteúdo e o apelo à razão. Era um meio de persuadir pessoas e obter influência. Os dois termos são semelhantes, mas não idênticos. Enquanto retórica designa, para nós, a arte de falar bem, de maneira eloquente e precisa, com capacidade de convencer. A oratória significa falar em público.

Apesar de não discursar, o filósofo grego Aristóteles, em Retórica, a definiu como forma de convencer o ouvinte, mesmo que em detrimento da verdade. Infelizmente, em se tratando da política brasileira, a definição de retórica do grego Aristóteles, é uma pura verdade.

Em 24 de janeiro 1973, a rede Globo de Televisão, estreou a novela “O Bem Amado”, obra de Dias Gomes. Primeira telenovela em cores da televisão brasileira e a primeira a ser exportada. Criticava com humor o Brasil da ditadura militar. A trama conta a história do político corrupto Odorico Paraguaçu e de suas estratégias nada ortodoxas para manter seu cargo como prefeito da cidade de Sucupira, no litoral baiano, com seus discursos inflamados e verborrágicos.

O político cria o slogan: “Vote em um homem sério e ganhe um cemitério” para ser eleito para o maior cargo executivo da cidade. A estratégia dá certo, e ele ganha a confiança do povo ao assegurar que todos terão acesso a uma moradia digna de conforto eterno. Interessante, que em determinado momento, O Bem-Amado retratou uma epidemia na ficção. A cidade de Sucupira se torna alvo de uma onda de tifo e, focado em sua estratégia de deixar alguém morrer no local para inaugurar o cemitério, Odorico faz vistas grossas para vacinar todos. “Meus concidadãos! Este momento há de ficar para sempre gravado nos anais e menstruais da História de Sucupira!” (Prefeito de Sucupira, Odorico Paraguaçu).

Retornando a realidade, sabemos que a palavra é o reflexo do que se pensa e deseja, e que ela tem impacto direto na vida, seja para agradar ou agredir alguém. E não é só quem não tem papas na língua que se atropela ao falar demais, da forma ou na hora errada. Na maioria das vezes, não se mede o impacto que uma palavra pode ter.

Pois bem, isso se aplica totalmente aos políticos. Tudo que um político diz fica registrado nos anais da história. Muitas vezes fazem promessas milagrosas, para conquistar o voto do eleitor e depois não cumprir nem mesmos as viáveis, o que não deixa de ser um “estelionato eleitoral”. Não se pode negar que o eleitor também tem culpa nesse contexto. Mesmo porque quando “a promessa é grande, o santo desconfia” ou deveria desconfiar.

Faremos então, uma viagem no tempo relatando alguns impropérios que políticos brasileiros tiveram a ousadia de proferir nas mais diversas situações, seja em discursos, declarações ou entrevistas. Impropérios que de alguma forma demonstram nas mãos de quem o Brasil foi e está sendo entregue.  Interessante é que os fatos, em alguns momentos, parecem muito similares.

Nessa viagem, vamos focar em alguns presidentes da nossa república, que sem dúvida, influenciaram e continuam influenciando significativamente a história política do Brasil.

Iniciando pelo presidente da república que mais permaneceu no poder (1930/1945 e de 1951/1954), o gaúcho Getúlio Dornelles Vargas. Considerado um dos mais importantes estadistas brasileiros.

Vargas não se manifestava muito afeto a legalidade. Em abril de 1936, uma triste, infeliz e malvada frase foi dita por Getúlio Vargas: “A Constituição é como as virgens. Foi feita para ser violada”.

No dia 1° de maio de 1951, Getúlio Vargas proferiu um discurso que pode não ter mudado o mundo, mas certamente alterou o rumo do Brasil. À frente de um estádio de São Januário (RJ) lotado, o então presidente do país fez sua homenagem aos trabalhadores do Brasil, enfatizando suas políticas públicas de regularização do trabalho. Pela primeira vez no pais, os brasileiros podiam contar com uma carteira assinada. A maneira de se dirigir ao povo foi determinante na construção da popularidade de Getúlio Vargas. A oratória era uma das ações populistas que o ex-presidente utilizou para se aproximar de seu eleitorado.

No dia 23 de agosto de 1954, Getúlio redige uma carta-testamento, de natureza fundamentalmente política, e suicida-se com um tiro no peito. Dois dias antes do trágico final, os militares exigiram a renúncia e, novamente, Vargas não a aceita, respondendo “daqui só saio morto”. Sua carta-testamento, na qual dá suas razões para o gesto extremo, é um dos mais conhecidos documentos históricos.

Na sua Carta Testamento, escreveu: “Lutei contra a espoliação do Brasil. Lutei contra a espoliação do povo. Tenho lutado de peito aberto. O ódio, as infâmias, a calúnia não abateram meu ânimo. Eu vos dei a minha vida. Agora vos ofereço a minha morte. Nada receio. Serenamente dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na História”.

Entre 1956 e 1961 governou o Brasil, o médico Juscelino Kubitschek de Oliveira. Durante seu mandato tivemos a construção de Brasília. Algumas das principais frases que marcaram sua vida política:

–  Hoje é o dia mais feliz da minha vida. O Congresso acaba de aprovar o projeto para a construção de Brasília. Sabe por quê o projeto foi aprovado? Eles pensam que não vou conseguir executá-lo.

–  Sou visceralmente democrata. Para mim, a liberdade é algo fundamental.

–  O otimista pode errar, mas o pessimista já começa errando.

–  Não nasci para ter ódio, nem rancores, nasci para construir.

–  Costumo voltar atrás, sim. Não Tenho compromisso com o erro.

–  O perdão é a marca da grandeza, sobretudo quando se tem em vista um objetivo mais alto.

 – Meu sonho é viver e morrer em um país em liberdade.

Em outubro de 1960 foi eleito presidente da república o sul mato-grossense Jânio da Silva Quadros. Um dos políticos mais controvertidos que o Brasil já teve. Ficou conhecido pelas polêmicas e pelos discursos moralizantes. Foi presidente do Brasil durante sete meses, renunciando em 1961.

O “homem da vassoura” assumiu a Presidência da República prometendo “varrer” toda a sujeira da vida pública brasileira. Não varreu. Um dos seus hábitos era mandar “bilhetinhos” para seus auxiliares. Em 206 dias de governo, rabiscou mais de mil e quinhentos bilhetes.

Outras babaquices do Presidente: proibição de uso de biquínis nas praias, corridas de cavalo nos dias úteis, brigas de galo e desfile de “misses” com maiôs cavados.

Professor de Português e de Geografia. Respeitava a norma culta de nossa língua em declarações, bilhetes, cartas, documentos, em tudo o que dizia e escrevia. Muitas de suas tiradas ficaram célebres, como por exemplo: ” Fi-lo porque qui-lo”. Jânio a proferiu quando ainda ocupava o Palácio do Planalto, durante uma reunião com governadores e outras autoridades.

Entre um sem-número de tiradas tão sarcásticas quanto ácidas do velho político, cito as seguintes:

–  Os servidores públicos são mulher de César (a quem não basta ser honesta, é preciso parecer honesto). A frase representou o pensamento de Júlio César, ditador absoluto ou pretor máximo romano, no ano de 63 antes de Cristo.

–  O senhor sabe que a família interiorana é moralista e conservadora. Gostaria de lhe perguntar: por que o senhor bebe. A resposta veio bem ao estilo de Jânio: “Bebo porque é líquido. Se fosse sólido, comê-lo-ia”.

O primeiro Presidente do Brasil depois do golpe militar de março de 1964 foi o Marechal Humberto Castelo Branco. Nomeado pelo Congresso, ficou no poder de 15 de abril de 1964 até 15 de março de 1967.  Citações de destaque:

– O exército não é um partido político para apresentar solidariedade ao governo ou a quem quer que seja. Quem tem o direito de apresentar solidariedade tem o direito de apresentar também desaprovação.

– Forças Armadas não fazem democracia, mas garantem-na. Não é possível haver democracia sem Forças Armadas que a garantam.

– A esquerda é boa para duas coisas: organizar manifestações de rua e desorganizar a economia.

Entre os anos de 1967 e 1969, através de eleições indiretas, o General Artur da Costa e Silva foi eleito o 27º Presidente do Brasil Republica. Foi o “Pai” do Ato Institucional n.º5, o AI-5. O ato concedia poderes totais ao presidente, como fechar o Congresso Nacional, as Assembleias Legislativas e as Câmaras Municipais, etc.

Podemos citar como principais frases:

–  Nunca seria um ditador, inclusive porque no Brasil não há lugar para ditaduras.

–  Salvamos o nosso programa de governo e salvamos a democracia, voltando às origens do poder revolucionário (Discurso do presidente transmitido, no final de 1968, por rádio e televisão sobre o Ato Institucional Nº 5 – AI-5).

–  “O poder é como um salame, toda vez que você o usa bem, corta só uma fatia, quando o usa mal, corta duas, mas se não o usa, cortam-se três e, em qualquer caso, ele fica sempre menor”. Não sei a interpretação dessa frase, talvez tem tomado como base a do economista e filósofo Austríaco Friedrich Von Hayek, que disse: “A liberdade não se perde de uma vez, mas em fatias, como se corta um salame”.

Entre 30 de outubro de 1969 e 15 de março de 1974, foi presidente do Brasil, o General-de-Exército Emílio Garrastazu Médici. No seu governo tivemos Campanhas oficiais para incentivar o povo. Foram criados slogans como: “Ninguém mais segura este país”, “Brasil, ame-o ou deixe-o”, “Pra frente, Brasil”.

Algumas de suas principais citações:

–  Sinto-me feliz todas as noites quando ligo a televisão para assistir ao jornal. Enquanto as notícias dão conta de greves, agitações, atentados e conflitos em várias partes do mundo, o Brasil marcha em paz, rumo ao desenvolvimento. É como se eu tomasse um tranquilizante após um dia de trabalho.

–  A economia vai bem, mas o povo vai mal.

–  A eleição direta é uma piada.

De 1974 a 1979 o Brasil foi governado pelo General Ernesto Beckmann Geisel. Principais citações:

 –  Eu sou um sujeito profundamente democrático (Em entrevista a Maria Celina D’Araujo justificando que a falta de liberdade durante o seu governo não era fruto de convicções pessoais).

–  Se é a vontade do povo brasileiro eu promoverei a Abertura Política no Brasil. Mas chegará um tempo que o povo sentirá saudade do Regime Militar. Pois muitos desses que lideram o fim do Regime não estão visando o bem do povo, mas sim seus próprios interesses.

–  É muita pretensão do homem inventar que Deus o criou à sua imagem e semelhança. Será possível que Deus seja tão ruim assim?

–  O Brasil vem conseguindo evitar a recessão e a estagnação, que nos estão sendo exportadas pelo mundo desenvolvido lá de fora, com o seu corolário do desemprego a atingir, sempre, as classes mais pobres.

–  Nosso mal foi ter durado tanto tempo (Em entrevista ao jornal Folha de São Paulo, em agosto de 1987, a respeito do regime militar).

–  Ao longo da minha vida eu fui um infeliz.

O último presidente militar, antes da Constituição de 1988, foi o General João Batista Figueiredo. Assumiu a presidência em março de 1979 para dar prosseguimento ao já traçado processo de abertura política. Ele era curto e grosso em diversas falas. Uma ao ser questionado por um garoto sobre o que faria se seu pai ganhasse apenas um salário mínimo, respondeu: “eu dava um tiro na cuca”.

O plano original do governo militar era o de transformar Figueiredo numa figura popular, conhecida como João do Povo. Mas isso foi muito difícil, afinal, o presidente não colaborava. Às vezes escapavam frases tão sinceras e honestas, surgidas da mais profunda introspecção, que soltas acariciavam ouvidos como esporas. Praticante do hipismo, foi questionado uma vez sobre o “cheiro do povo” numa entrevista sobre a cavalaria. Sem dó, ele respondeu: “Eu prefiro o cheiro do cavalo”.

O apreço pelo povo era praticamente negativo para Figueiredo. Várias vezes de forma ofensiva, ele culpava os mais pobres por diversos problemas do país. Uma vez, ele afirmou que “um povo que não sabe nem escovar os dentes não está preparado para votar”.

Algumas de suas principais citações:

–  Estou fazendo uma força desgraçada para ser político, mas não sei se vou me sair bem: no fundo o que gosto mesmo é de clarim e de quartel.

–  A solução para as favelas é jogar uma bomba atômica.

–  É um vagabundo sem vergonha. Sobre o cantor, compositor e diplomata Vinícius de Moraes.

–  Eu cheguei e as baianas já vieram me abraçando. Ficou um cheiro insuportável, cheguei no hotel tomei 3, 5, 7 banhos e aquele cheiro de preto não saía

–  Também já declarou que “durante muito tempo o gaúcho foi gigolô de vaca”.

Em 1985 tivemos o primeiro presidente civil após o movimento militar de 1964. O cargo foi exercido pelo político maranhense José Ribamar Ferreira de Araújo Costa Sarney. Como era vice presidente, assumiu a presidência após a morte de Tancredo Neves que não chegou a tomar posse.

Algumas de suas principais citações:

–  Consultei um futurólogo e ele previu que o Brasil só terá outro presidente nordestino daqui a 1.900 anos. Então, acho que mereço ficar os seis anos.

–  Durante o meu mandato a história se contorceu, mas a democracia não murchou na minha mão.

–  Quando há perigo iminente para os povos reunidos em Estados, cabe à inteligência política encontrar, e com decisão, a resposta certa.

–  A inflação é o pior inimigo da sociedade. Ela castiga os mais pobres, os que não têm instrumento de defesa contra seus terríveis efeitos. Ela não confisca apenas o salário: confisca o pão.

-A educação é o primeiro e o mais rentável dos investimentos públicos.

–  Herdei para administrar a maior crise política da história brasileira, a maior dívida externa do mundo, a maior dívida interna, a maior inflação que já tivemos, a maior dívida social e a maior dívida moral.

–  No Maranhão, depois dos 50 anos não se pergunta a alguém como está de saúde. Pergunta-se onde é que dói.

–  Realmente, estamos importando alimentos, mas isso é ótimo, porque significa que quem não comia está comendo.

– Governo é como violinha: você toma com a esquerda e toca com a direita (José Sarney mostrando porque sobrevive há tantos anos no poder).

Em 15 de março de 1990, assume a presidência da república, o carioca Fernando Collor de Melo. Primeiro presidente eleito pelo voto popular depois da ditadura militar. Também foi o primeiro presidente do Brasil a sofrer um processo de impeachment após denúncias de corrução e crime de responsabilidade. Ficou conhecido pelo congelamento da conta poupança da população.

Collor se elegeu presidente da República apoiado em uma campanha de moralização do serviço público em que se apresentava como “caçador de marajás”. Conseguiu se projetar na campanha presidencial valendo-se da sua imagem de boa-pinta e o discurso de ser uma renovação na política. Durante o seu governo, na tentativa de dar mostras da sua jovialidade, Collor se deixava fotografar fazendo cooper, praticando esportes e pilotando jet-ski. Também tentava passar uma imagem de virilidade e, num desses arroubos, falou a notória frase: “Tenho aquilo roxo”, após uma manifestação de protesto contra o governo.

Algumas de suas principais citações que ficaram para os anais da história:

–  O meu primeiro ato como presidente será mandar para a cadeia um bocado de corruptos.

–  Vamos dar um não à desordem, à bagunça, à baderna, à bandeira vermelha. Vamos dar um sim à bandeira do Brasil, verde, amarela, azul e branca (Collor de Mello referindo-se a Lula, no último debate dos presidenciáveis antes do segundo turno, em 14 de dezembro de 1989).

–  A poupança é sagrada.

–  Não temos mais alternativas. O Brasil não aceita mais derrotas. Agora, é vencer ou vencer. Que Deus nos ajude, declarou Fernando Collor de Mello, em rede nacional, na manhã do dia 16, após a ministra da Fazenda, Zélia Cardoso de Mello, anunciar as medidas de um novo plano econômico.

– Minha gente! Não me deixem só! Eu preciso de vocês (Pronunciamento feito durante o processo de impeachment).

Após afastamento do Presidente Collor, devido ao processo de impeachment, assumiu a presidência do Brasil o engenheiro, militar e político brasileiro Itamar Augusto Cautiero Franco (1992 – 1994). O presidente tinha algumas esquisitices, mas não colecionou deslizes morais e nem acusações de corrupção. Todavia no seu mandato, um fato que ocorreu durante o desfile de Carnaval em 1993, gerou muita repercussão na impressa. Um fotógrafo oportunista documentou a alegria do presidente no palanque ao lado da modelo Lílian Ramos. A moça não usava a mais íntima das peças íntimas da indumentária feminina. E sua genitália ilustrou a foto mais badalada daquele carnaval, foi capa de revista e muitos veículos da mídia impressa em todo o mundo a divulgou. Interessante como os grandes escândalos também se modificam conforme a época.

Algumas de suas principais citações:

–  Como vou fazer para saber se as pessoas estão de calcinha preta, verde, vermelha ou sem calcinha?

–  Quando reajo, dizem que sou temperamental, teimoso. Quando demonstro serenidade, falam que sou omisso. Não sei o que essa gente quer. 

–  Nós devemos aos nossos credores dinheiro. Dinheiro se paga com dinheiro. Não se paga dinheiro com a fome, a miséria e o desemprego dos cidadãos brasileiros. 

–  Se não saio de Brasília, reclamam. Se vou para o Rio, reclamam. Se vou para Juiz de Fora, reclamam do mesmo jeito. Se falar em ir para qualquer lugar, reclamam. “

–  Do jeito que as coisas vão, FHC vende a Bandeira Nacional até 2002 (Itamar já não era mais presidente quando pronunciou essa frase).

De 1995 a 2002, ocupou a presidência da república o sociólogo e professor universitário Fernando Henrique Cardoso. Foi o primeiro presidente brasileiro a se reeleger para um segundo mandato.

Algumas de suas principais citações que ficaram para os anais da história:

– O nosso vizinho não foi capaz de apurar tão depressa os votos como nós aqui (Frase dita por Fernando Henrique em 2000, ironizando a confusão da eleição presidencial nos Estados Unidos).

–  É demagógico. Alertar contra a fome é bom, mas falar e não resolver é gravíssimo.

– Saco de bondade à custa do povo eu não faço (Frase dita em 2001, ao afirmar que não permitiria que os gastos públicos estourassem em 2002, ano eleitoral).

–  Logo que eu iniciei o governo, eu disse que era fácil governar o Brasil. Talvez tivesse que refazer o que disse.

–  A pior guerra é a guerra contínua contra a natureza, que é silenciosa, que destrói ao longo do tempo.

– Eu sou o presidente da República, mas quem manda em mim é o Marco Aurélio. Você precisa parar de mandar em mim, Marco Aurélio (Fernando Henrique, dirigindo-se, em tom bem-humorado, ao presidente do STF, Marco Aurélio de Mello, durante jantar oferecido pelo presidente do Senado, Ramez Tebet – 2001).

– Não posso aceitar o pressuposto de que abafei um crime. A leviandade da imprensa e o golpismo sem armas da oposição estão criando um clima de fascismo e terror insuportável (Em 2001, sobre o envolvimento do governo no caso do banco Marka).

–  Graças ao meu estilo de governar, pouco a pouco as oligarquias, os caciques foram perdendo centralidade na política (Em 2002, dizendo, em balanço sobre as eleições, que, no seu governo, as oligarquias perderam o peso e a centralidade que tiveram no passado).

Fernando Henrique, homem muito culto e poliglota não escapou de gafes, ainda que fora do campo da linguagem. Durante cerimônia de abertura do 10º Fórum Nacional, em 1988, ele afirmou que as pessoas aposentadas com menos de 50 anos eram vagabundos porque se locupletariam de um país de pobres e miseráveis.

No discursar em homenagem ao Dia Internacional da Mulher em 1998, indagou: “Aqui nós estamos assistindo a ministros e vice-ministras aqui presentes; quem sabe um dia ministros e ministras, não é?”. Continuou: “Essa diretriz e para que, havendo qualificações iguais, as mulheres assumam, não o poder (risos), mas participem, coparticipem do poder”. Depois afirmou que muitas são “cabeças de cavalo”, corrigindo, em seguida, para “cabeça do casal”.

O Trigésimo quinto presidente do Brasil foi o metalúrgico, líder sindical e um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores, o pernambucano Luiz Inácio Lula da Silva. Assim como o Fernando Henrique Cardoso, foi reeleito para um segundo mandato.

Os dois mandatos do presidente Lula foram marcados por grandes avanços, mas também por grandes escândalos. Lula teve condições de passar para a história como o presidente que realizou grandes feitos e priorizou políticas que beneficiaram os mais pobres, mas a corrução se infiltrou no poder.

Em diversas solenidades, Lula jogou para escanteio os discursos produzidos pelo ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência e partiu para o improviso.

Frases que marcaram seu período como presidente da república:

– Ontem, o Brasil votou para mudar. O brasileiro votou sem medo de ser feliz, e a esperança venceu o medo (No seu primeiro pronunciamento como presidente eleito).

–  Se no final de meu mandato cada brasileiro puder comer três vezes ao dia, terei cumprido a missão de minha vida.

–  Não é o Bolsa-Família que vai resolver o problema do povo brasileiro. O que vai resolver são as mudanças estruturais que nós queremos que aconteçam no Brasil: a economia tem de voltar a crescer e temos de gerar empregos.

–  Você pode fazer seu discurso político na hora em que quiser. Você pode ter suas definições ideológicas quando quiser, mas, na hora de governar, é pão, pão, queijo, queijo. Você nem sempre faz o que você quer.

–  Na primeira vez que me perguntaram se eu era comunista, respondi: “Sou torneiro mecânico”.

–  O salário mínimo nunca será o ideal porque ele é mínimo.

–  São privilegiados aqueles que podem pagar Imposto de Renda, porque ganham um pouco mais (em discurso a metalúrgicos do ABC que cobravam mudança na tabela do Imposto de Renda, em 2004).

–  Nunca fiz concessão política. Faço acordo… Se Jesus viesse para cá, e Judas tivesse a votação num partido qualquer, Jesus teria que chamar Judas para fazer coalizã.

–  Resolveram fazer um estudo para saber se a perereca estava em extinção. Aí teve que contratar gente para procurar perereca, e procure perereca, procure perereca, perereca, perereca… (em maio de 2009, ao eleger o bichinho como inimigo do desenvolvimento; por causa dele, houve atraso de sete meses na construção de viaduto entre Brasil e Argentina.

–  Uma mulher não pode ser submissa ao homem por causa de um prato de comida. Tem que ser submissa a um parceiro porque gosta dele e quer viver junto com ele.

–  Lá, a crise é um tsunami. Aqui, se chegar, vai ser uma marolinha, que não dá nem para esquiar (em 4 de outubro de 2008, garantindo que os efeitos da crise econômica não seriam sentidos no Brasil).

–  Tem gente que não gosta do meu otimismo, mas eu sou corintiano, católico, brasileiro e ainda sou presidente do País. Como eu poderia não ser otimista?

–  Quero saber se o povo está na merda, e eu quero tirar o povo da merda em que se encontra (em maio de 2009, ao garantir no Maranhão que suas obras de saneamento).

–  Ninguém tem mais autoridade moral e ética do que eu para transformar a luta contra a corrupção não em bandeira, mas em uma prática cotidiana (em meio às denúncias do escândalo de pagamento de propina a parlamentares que ficou conhecido como mensalão).

– (A dor da escravidão) é como a de cálculo renal: não adianta dizer, tem que sentir (em abril de 2005, na Casa dos Escravos, em Dacar, capital do Senegal, ao pedir perdão ao povo africano pelo passado escravista brasileiro).

–  Aprendi a contar até dez, apesar de só ter nove dedos, que é para não cometer erros.

–  A coisa que eu mais queria na minha vida quando casei com a minha ‘galega’ (a primeira-dama, Marisa Letícia) era um filho. Ela engravidou logo no primeiro dia de casamento, porque pernambucano ‘não deixa por menos’”.

–  Espero que o Poder Judiciário tenha agilidade para que processos não sejam engavetados, para que processos não demorem, porque o povo não pode continuar sendo roubado (em 2003, cobrando do Judiciário agilidade para que processos contra administradores públicos acusados de corrupção não fiquem engavetados).

Algumas gafes do Luiz Inácio Lula da Silva a partir de seu primeiro mandato, em 2003:

–  No plano geográfico ele disse uma vez que o Brasil somente não tinha fronteira com o Chile, o Equador e a Bolívia.

–  No setor de suas pesquisas históricas elas mostraram que Napoleão havia estado na China: “Quando Napoleão foi à China, ele cunhou uma frase que ficou famosa. Ele disse: A China é um gigante adormecido que o dia que ele acordar, o mundo vai tremer.

–  Outra sobre a sua natureza humilde, quando afirmou em 2004, no dia internacional da mulher, que era “filho de uma mulher que nasceu analfabeta”.

–  Durante uma viagem a Londres, em 2006. Lula participou de um banquete oferecido pela rainha Elizabeth 2ª e, chamado para discursar, elogiou a “contribuição do inglês Charles Miller ao futebol brasileiro. Miller era paulista, filho de um inglês com uma brasileira.

Nas eleições de 2010 tivemos a primeira mulher eleita para presidir o país, a mineira Dilma Vana Rousseff. Seu primeiro mandato foi de 2011 a 2014. Reeleita em 2014 para o segundo mandato de 2015 a 2018, todavia no dia 31 de agosto de 2016 deixou o cargo devido a um processo de impeachment aprovado pelo Senado, tendo sido acusada de crime de responsabilidade fiscal. 

Ao longo dos mandatos da presidente Dilma Rousseff diversos de seus discursos se tornaram polêmicos devido as frases engraçadas e, sem uma boa conexão com as temáticas abordadas. Muitas de suas falas se tornaram meme nas redes sociais.

Frases de Dilma Rousseff que não fazem o menor sentido:

–  O meio ambiente é sem dúvida nenhuma uma ameaça ao desenvolvimento sustentável.”

–  Se hoje é o dia das crianças, ontem eu disse que criança… o dia da criança é dia da mãe, do pai e das professoras, mas também é o dia dos animais, sempre que você olha uma criança, há sempre uma figura oculta, que é um cachorro atrás.

–  Primeiro, eu queria te dizer que eu tenho muito respeito pelo ET de Varginha. E eu sei que aqui, quem não viu conhece alguém que viu, ou tem alguém na família que viu, mas de qualquer jeito eu começo dizendo que esse respeito pelo ET de Varginha está garantido.

–  Eu tô aqui saudando a mandioca. Acho [a mandioca] uma das maiores conquistas do Brasil (abertura dos Jogos Mundiais dos Povos Indígenas).

–  Não acho que quem ganhar ou quem perder, nem quem ganhar nem perder, vai ganhar ou perder. Vai todo mundo perder.

–  A mulher abre o negócio, tem seus filhos, cria os filhos e se sustenta, tudo isso abrindo o negócio.

–  Eu já entendi que você entende, pois se você não tivesse entendido não entenderia que você teria entendido para ser explicado antes de você entender.

Nem tudo foi cômico:

–  A igualdade de oportunidades para homens e mulheres é um princípio essencial da democracia.

–  A imprensa que constrói uma democracia é a imprensa que fala o que quer, dá opinião que quer e se manifesta do jeito que bem entende.

–  Nós acreditamos que, sempre, em qualquer situação, é muito melhor o diálogo, o consenso e a construção democrática do que qualquer outro tipo de ruptura institucional.

–  Temos muitos motivos para preservar e defender a Petrobras de predadores internos e inimigos externos.

–  Lamento a campanha absolutamente difamatória que fazem contra mim, dizendo que estou utilizando o nome de Cristo para falar que nem ele me derrotava na eleição. Eu acho isso um absurdo, uma calúnia e uma vilania contra mim. Como vocês sabem que sou cristã, eu jamais usaria o nome de Cristo em vão.

No dia 31 de agosto de 2016, após aprovação do impeachment de Dilma Rousseff, toma pose como Presidente da República o advogado e político Michel Miguel Elias Temer Lulia. 

Nem mesmo o polido e cauteloso Michel Temer escapou das gafes. Algumas gafes:

–  Durante um encontro com a primeira-ministra norueguesa em 2017, Temer chamou Harald V, monarca norueguês, de “rei da Suécia”, país vizinho escandinavo, e se referiu ao “parlamento brasileiro”, em vez do norueguês.

–  Luiz Fernando Pezão, quando governador do Estado do Rio de Janeiro, teve que ouvir de Temer que o câncer lhe deixou mais bonito (por ter emagrecido), o que seria algo “útil”.

Algumas frases significativas:

–  Bons diálogos, boas conversas, sempre com vistas à pacificação absoluta.

–  Tenho feito esse diálogo com frequência. A raiva precisa acabar. Não se faz política com o fígado. Em política não se tem inimigo, mas adversário, aquele que adversa, está do outro lado. Não entender isso é comprometer as bases do sistema democrático”.

–  Quando nós nos desviamos dos limites do direito, nós criamos a instabilidade social e a instabilidade política.

–  Quando se tem esse tipo de movimento de rua, é preciso ouvir e dialogar muito, ter humildade e isso nós temos.

–  É uma rebelião, digamos assim, contra a classe política. Você pode me perguntar: mas isso é útil ou é inútil? Eu acho que é útil. Quando há uma queixa popular, você precisa verificar o que está acontecendo para melhorar as relações do poder institucional com a principal instituição do estado que é o povo.

Concluindo nossa viagem, chegamos ao 38º presidente do Brasil, eleito em 2018 para o mandato de 2019 a 2022, o capitão da reserva do Exército Jair Messias Bolsonaro. Se tornou um fenômeno eleitoral ao vencer as eleições, filiado a uma legenda sem grandes alianças com pouco tempo de TV e rádio e longe das ruas depois do atentado que sofreu no dia 3 de setembro de 2018. No seu discurso da vitória, Jair Bolsonaro declarou que seu governo seria um defensor da Constituição, da democracia e da liberdade.

O Presidente Jair Bolsonaro durante sua vida política sempre colecionou declarações polêmicas. Segundo o jornalista Noblat (30/08/2021), Jair Bolsonaro é um fio desencapado que ocasiona curtos circuitos e faíscas e pode produzir pequenos ou grandes incêndios.

Frases que marcaram sua histórica política:

–  Já vai tarde. (Quando Luís Eduardo Carlos Magalhães faleceu, filho de Antônio Carlos Magalhães -1998).

–  Se fuzilassem 30.000 corruptos, a começar pelo presidente Fernando Henrique Cardoso, o país estaria melhor (1999).

–  A atual Constituição garante a intervenção das Forças Armadas para a manutenção da lei e da ordem. Sou a favor, sim, de uma ditadura, de um regime de exceção, desde que este Congresso dê mais um passo rumo ao abismo, que no meu entender está muito próximo (Discurso na tribuna da Câmara em junho de 1999).

–  90% desses meninos adotados [por um casal gay] vão ser homossexuais e vão ser garotos de programa com toda certeza (2012).

–  A escória do mundo está chegando ao Brasil como se nós não tivéssemos problemas demais para resolver (haitianos, senegaleses, bolivianos que pediam refúgio ao Brasil – 2015).

–  Ele devia ir comer um capim ali fora para manter as suas origens” (2008). Se referia ao índio Jacinaldo Barbosa, que lhe jogou um copo de água durante uma audiência pública na Câmara para discutir a demarcação da reserva indígena Raposa/Serra do Sol.

–  O erro da ditadura foi torturar e não matar” (2008 e 2016).

–  Eu jamais ia estuprar você porque você não merece (A frase foi dirigida à deputada federal Maria do Rosário, primeiro durante uma discussão nos corredores da Câmara em 2003, diante de vários jornalistas, depois repetida em 2014, dessa vez na tribuna da Casa).

–  Fui num quilombola [sic] em Eldorado Paulista. O afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas. Não fazem nada! Acho que nem para procriadores servem mais (2017).

– [O policial] entra, resolve o problema e, se matar 10, 15 ou 20, com 10 ou 30 tiros cada um, ele tem que ser condecorado, e não processado (Em declarações anteriores, ele já havia dito que “policial que não mata não é policial” e que a “polícia brasileira tinha que matar é mais” – 2018).

–  Seria incapaz de amar um filho homossexual. Não vou dar uma de hipócrita aqui: prefiro que um filho meu morra num acidente do que apareça com um bigodudo por aí. Para mim, ele vai ter morrido mesmo. 

–  Isso não pode continuar existindo. Tudo é coitadismo. Coitado do negro, coitado da mulher, coitado do gay, coitado do nordestino, coitado do piauiense. Vamos acabar com isso (2018).

–  Como eu estava solteiro na época, esse dinheiro do auxílio-moradia eu usava para comer gente (2018).

– Brasil acima de tudo. Deus acima de todos.

–  Eu acredito em Deus. Sou católico. Mas é coisa rara ir à Igreja. Eu já li a Bíblia inteirinha com atenção. Levei uns sete anos para ler. Você tem bons exemplos ali. Está escrito: “A árvore que não der frutos, deve ser cortada e lançada ao fogo”. Eu sou favorável à pena de morte.

–  O Brasil está quebrado. Eu não consigo fazer nada.  

–  E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre (declaração quando o Brasil passava a marca de 5 mil mortes e acabava de ultrapassar a China em número de óbitos – 2020).

–  No meu caso particular, pelo meu histórico de atleta, caso fosse contaminado pelo vírus, não precisaria me preocupar, nada sentiria ou seria, quando muito, acometido de uma gripezinha ou resfriadinho, como bem disse aquele conhecido médico, daquela conhecida televisão (2020).

–  Até quando vão ficar chorando? (Bolsonaro afirmou que era preciso parar de “frescura” e “mimimi” em meio à pandemia e ainda chamou de “idiotas” as pessoas que vêm pedindo que o governo seja mais ágil na compra de vacinas – 2021).

–  Se você virar um jacaré, é problema seu. Se você virar Super-Homem, se nascer barba em alguma mulher aí, ou algum homem começar a falar fino, eles (Pfizer) não têm nada a ver com isso.

–  Ô, ô, ô, cara. Quem fala de… eu não sou coveiro, tá?” (Resposta dada a um jornalista que perguntou sobre os números da covid-19 no Brasil).

–  Nada temeis, nem mesmo a morte, a não ser a morte eterna (esta frase passou a fazer parte dos pronunciamentos do presidente desde o dia 5 de agosto 2021).

– Por ser uma floresta úmida, a Amazônia não pega fogo (discurso feito para investidores árabes em Dubai – novembro/2021, repetindo o que disse em discurso na assembleia-geral da ONU, em 2020).

Nessa “amostragem política”, muitos ficarão para sempre, nos anais da história política brasileira, conhecidos pelos discursos moralizantes, declarações polémicas, frases infelizes e malvada, discursos com frases engraçadas e, sem uma boa conexão com as temáticas abordadas que se tornaram meme nas redes sociais, pelas respostas curtas e grossas em diversas falas, sem o menor senso de educação e responsabilidade, e por gafes memoráveis.

Lembramos que todo político, assim como todos nós, devemos ter cuidado com o que falamos. Tem um ditado que diz que “quem fala demais dá bom dia a cavalo”. Esse é um ditado antigo e que está em plena sintonia com o provérbio de Salomão que recomenda que moderemos nossos lábios. Falar menos é sinal de prudência. Falar menos é sinal de sabedoria. “As palavras podem ferir e causarem dor, por isso, só devem ser ditas para construir, para trazer esperança e para produzir otimismo e nunca para aniquilar, mas para ajudar, direcionar e enaltecer. Nunca para arrasar alguém, nem para humilhar e muito menos para entristecer. Se não tem algo bom para falar de alguém, o melhor é falar a verdade ou ficar em silêncio” (escritor Salomão Tavares).

Concluindo esse artigo, afirmamos que não tivemos a intenção de comparar nossos políticos com Luther King.  O mesmo era um líder com ideais bem definidos de união e coexistência harmoniosa entre negros e brancos. Falando do jeito que fez, ele conseguiu educar, inspirar e informar, não apenas as pessoas que ali estavam, mas também pessoas em todo os EUA e outras gerações que nem sequer haviam nascido. Mas, principalmente para dizer que assim como Luther King, eu também tenho um sonho: Que nossos descendentes vão um dia viver em uma nação onde elas terão todos os direitos inalienáveis a vida e que os nossos políticos, que transpiram com o calor da injustiça, que transpiram com o calor de opressão, transformem esse nosso Brasil em um oásis de liberdade, igualdade e humanidade.

Parece que, por enquanto, os nossos políticos são os Odoricos Paraguaçu, da novela Bem Amado.

 “Não prometa o que não pode cumprir. Não exija o que não pode oferecer. Não desdenhe do que não sabe fazer melhor. Não tente parecer ser o que jamais será” (escritora Lavínia Lins).

17 Thoughts on “Meus concidadãos! Eu tenho um sonho”
    Cláudio Luiz Pontes
    22 Nov 2021
    11:31am

    Parabéns Viana, mais um excelente artigo.
    Grande abraço

      admin
      23 Nov 2021
      2:14pm

      Obrigado Grande Paraibano de Guarabira.

    Abenildo
    22 Nov 2021
    12:22pm

    Muito bom o Viana. Trouxe a lembrança de várias fases de nossa trajetória histórica e cultural. Pra reforçar o momento que vivemos acrescento pequena mostra da famosa “carta testamento” de Getúlio Vargas de 1954 citada por você:
    (…) Quis criar a liberdade nacional na potencialização das nossas riquezas através da Petrobras, mal começa esta a funcionar a onda de agitação se avoluma. A Eletrobrás foi obstaculada até o desespero. Não querem que o trabalhador seja livre,não querem que o povo seja independente (…).
    Grande abraço.

      admin
      23 Nov 2021
      2:14pm

      Obrigado grande Pernambucano.

    JOÃO WILSON DE LUNA FREIRE
    22 Nov 2021
    12:29pm

    Ufa! Pensei que não conseguia.Muito bom 👍👍👍
    Vlw! Galego!!!👏👏👏

      admin
      23 Nov 2021
      2:14pm

      Obrigado Grande João Wilson. Se teve folego mostra que ainda é um atleta.

    Fred Maia
    22 Nov 2021
    12:58pm

    Beleza, grande Viana !!!

      admin
      23 Nov 2021
      2:13pm

      Obrigado Fred.

    José vamilsom pinto
    22 Nov 2021
    1:56pm

    Parabéns Zé está maravilhoso, abraços

      admin
      23 Nov 2021
      2:12pm

      Obrigado Vamilson

    Nadja
    22 Nov 2021
    2:51pm

    Parabéns!!

      admin
      23 Nov 2021
      2:12pm

      Obrigado Nadja.

    Wandycler
    22 Nov 2021
    10:26pm

    Parabéns Viana. Muito bom.

      admin
      23 Nov 2021
      2:11pm

      Obrigado amigo

Deixar um comentário

Continue a leitura

Veja outras notícias de Blog do Viana.