Aprendemos alguma lição com a Revolta da Vacina ocorrida em 1904?

Por José Viana
em 10/10/2021
Aprendemos alguma lição com a Revolta da Vacina ocorrida em 1904?

A charge da revista O Malho, de 29 de outubro de 1904, parecia prever a revolta que se instalaria na cidade poucos dias depois: nem com um exército, o “Napoleão da Seringa e Lanceta”, como muitos se referiam a Oswaldo Cruz na época, conseguia conter a fúria da população contra a vacinação compulsória (Acervo Fiocruz)

Nos últimos tempos tenho intensificado minha leitura sobre História do Brasil e da Humanidade com objetivo de entender um pouco mais da política brasileira nos dias atuais, jogada num fosso profundo de uma crise de intolerância e sem líderes. “Um povo que não conhece sua história está condenado a repeti-la” (filósofo Edmund Burke). Em outras palavras: “Um povo sem história está fadado a cometer no presente e no futuro os mesmos erros do passado” (Historiadora Emília Viotti).

Os acontecimentos na saúde pública me trouxeram a lembrança os fatos ocorridos na Revolta da Vacina, uma insurreição popular ocorrida no Rio de Janeiro no período de 10 a 16 novembro de 1904 contra a vacina anti-varíola. Quando o presidente Rodrigues Alves assumiu o governo, nas ruas da cidade do Rio de Janeiro acumulavam-se toneladas de lixo. Desta maneira o vírus da varíola se espalhava. Proliferavam ratos e mosquitos transmissores de doenças fatais como a peste bubônica e a febre amarela que matavam milhares de pessoas anualmente.

Foto: MultiRio

Era necessário combater o mosquito e o rato, transmissores das principais doenças. Primeiro, o governo anunciou que pagaria a população por cada rato que fosse entregue às autoridades. O resultado foi o surgimento de criadores desses roedores a fim de conseguirem uma renda extra. Devido às fraudes, o governo suspendeu a recompensa pela apreensão dos ratos.

De forma a melhorar o saneamento precário e combater as doenças, o presidente Rodrigues Alves nomeou para diretor geral da Saúde Pública o médico sanitarista Oswaldo Cruz. Uma das propostas do médico para combater a doença foi a vacinação obrigatória contra a varíola, para todo brasileiro com mais de seis meses de idade. Oswaldo Cruz trouxe uma regulamentação ainda mais problemática. O governo passaria a exigir comprovantes de vacinação para que as pessoas pudessem matricular seus filhos nas escolas, começar em empregos, viajar, se hospedar na cidade e, até mesmo, se casar. Quem se negasse a ser vacinado seria multado.

Quando o conteúdo da proposta de Oswaldo Cruz chegou às mãos da imprensa, o povo iniciou a maior revolta urbana do Rio de Janeiro até então. Políticos, militares de oposição e a população da cidade se opuseram a vacina. A imprensa não perdoava Oswaldo Cruz dedicando-lhe charges cruéis ironizando a eficácia do remédio.

Espalhou-se por vários bairros da cidade, o conflito envolveu uma violenta repressão policial. Seis dias após ter sido iniciado, 945 pessoas foram presas, 100 feridos, 30 mortos e 461 deportadas para o Estado do Acre chegava ao fim a Revolta da Vacina. Em decorrência do conflito, o governo suspendeu a obrigatoriedade da vacinação, declarando estado de sítio. Exército, Marinha e Polícia foram para as ruas, repreendendo o conflito, e restabeleceram a ordem no Rio de Janeiro.

Foto: Wikipedia

É interessante observar que durante a Revolta, os militares tentaram usar a massa popular insatisfeita com um pretexto para a tentativa de um golpe, que não obteve sucesso contra o presidente Rodrigues Alves.

Outro ponto importante em ressaltar a falta de tato do governo no esclarecimento acerca da vacina. A grande maioria da população, formada por pessoas pobres e desinformadas, não conheciam o funcionamento de uma vacina e seus efeitos positivos. Numa sociedade onde as pessoas se vestiam cobrindo todo o corpo, mostrar os seus braços para tomar a vacina foi visto como “imoral”. 

Muitos estudiosos apontam que os motivos da Revolta da Vacina, em todas as classes sociais, foram a junção entre a política de tratamento com a população pobre e o sentimento de “invasão dos lares” das famílias mais ricas, obrigadas a se vacinarem.

Movimentos populares como a Revolta da Vacina ajudam a contar a história do Brasil, demonstrando o contexto em que estão inseridos e a maneira como esses conflitos se dão. Mais do que uma insatisfação contra a Lei da Vacina Obrigatória, a Revolta simboliza o período conturbado pelo qual passou o Rio de Janeiro, principalmente pelo caráter higienista e excludente adotado pelos governantes da época. Estes fatos ocorreram em 1904. Aprendemos a lição?

7 Thoughts on Aprendemos alguma lição com a Revolta da Vacina ocorrida em 1904?
    José vamilsom pinto
    12 Oct 2021
    5:02pm

    Parabéns meu amigo 👦, valeu mesmo, gostei muito

    Tuerte Amaral Rolim
    12 Oct 2021
    5:11pm

    Muito oportuno esse importante resgate histórico. Uma comunicação apropriada, transparente e verdadeira é fundamental para superarmos grandes desafios coletivos. O brasileiro terminou entendendo a importância das vacinas tanto que chegamos a erradicar a varíola por vários anos, como também a paralisia infantil. Obviamente a celeuma narrada nesse brilhante resgate histórico, agravada pela situação política daquele momento, foi superada ao longo dos anos e o reconhecimento à ciência e ao Oswaldo Cruz se concretizou. Mas com o passar do tempo e com a evolução das gerações é preciso estarmos sempre compartilhando essa experiência para que ela não venha esmaecer. Nós que herdamos dos nossos pais essa experiência e que participamos de muitas campanhas de vacinação (nossas e de nossos filhos), temos a responsabilidade nos tempos atuais de mantermos a disciplina, contribuindo para que todos sejam vacinados de acordo com o que preconiza a ciência.

    Valcimar Meira
    12 Oct 2021
    7:59pm

    Excelente plataforma amigo, ótimos artigos, enfim um herdeiro espaço para Boa leitura.

    Deuslene da Silva Andrade
    13 Oct 2021
    5:47am

    Amigo Viana, depois de tantos anos de trabalho, descobri outro lado desse excelente profissional: pesquisador, escritor.
    Parabéns pelo excelente trabalho.

    Botelho
    13 Oct 2021
    7:26am

    Muito bom Viana,esta história da vacina é perfeita e como você encerra, é a nossa realidade atual

    Claudio Luiz Pontes
    13 Oct 2021
    8:45am

    Excelentes artigos Viana.
    Continue firme com seu trabalho.
    Parabéns.

    Lenilson
    13 Oct 2021
    9:57pm

    Viva sus.

Deixar um comentário

Continue a leitura

Veja outras notícias de Blog do Viana.